fbpx

Utilizando Ferramentas De Monitoramento Para Redes HFC

As ferramentas de monitoramento para redes HFC podem apresentar uma otimização nos processos e resultados dessas redes. Esse tipo de rede é comum no Brasil, e é importante que os provedores se atentem para o desempenho.

Uma das situações mais comuns de acontecer é a fuga de sinal, devido à mudança na arquitetura da rede. Além disso, pode ocorrer um desnível no desempenho da rede dependendo da quantidade de portas colocadas em um NODE.

É uma construção mais complexa e atual da rede, o que faz com que ferramentas de monitoramento sejam mais do que necessárias. 

O que é uma rede HFC?

Uma rede HFC é uma rede híbrida de cabos coaxiais e fibra óptica. Ela, geralmente,  é composta por quatro partes: headend, rede tronco, rede de distribuição e rede de usuários.

O headend ou cabeceira, como é popularmente chamado, é o local de gerenciamento do sistema. Além disso, monitora a rede como um todo e supervisiona o funcionamento dela.

A rede tronco se apresenta por uma estrutura de diversos anéis formados de nós primários de Fibra Óptica. Os nós primários passam o sinal para os nós secundários, formados por Fibra também. Neles, o sinal óptico se converte em dados elétricos, e chegam aos usuários pela rede de distribuição, através de cabos coaxiais.

Há uma possibilidade de alteração no desempenho e velocidade. Isso se deve pela maneira que é utilizado o nó óptico, também chamado do NODE. Na conversão do sinal óptico para o elétrico, existe uma divisão de cabos coaxiais, em que são colocadas portas, para que a conexão chegue aos clientes.

É necessário que o provedor calcule o número de portas para cada NODE com base no consumo dos usuários da região. Isso porque se houverem muitas portas disponibilizadas em um NODE, mais clientes vão usar e comprometerá a performance e velocidade da conexão.

Redes HFC no Brasil

No ranking de acessos de Banda Larga Fixa da Anatel, o tipo de rede com cabos coaxiais, desde março deste ano, fica em 2° lugar. Perde apenas para acessos com Fibra Óptica.

Uma vez que ambas tecnologias permanecem nos primeiros lugares, é fácil de entender que uma rede híbrida de cabo coaxial e fibra óptica seja popular. Por isso, é necessário prestar constantes manutenções e ter ferramentas que garantam o desempenho da rede.

Ferramentas de monitoramento

Alguns sistemas e instrumentos precisam ser utilizados por técnicos e provedores a fim de manter uma rede estável, com uma performance exemplar. Testes de potência, verificações de eventos pela fibra necessitam ser realizados periodicamente para garantir um bom desempenho.

Ferramentas que podem ser úteis no monitoramento de redes HFC:

OTDR – O OTDR – ou Reflectômetro de Domínio do Tempo Óptico – mede, através de um pulso luminoso, a reflexão da luz na fibra. Dessa forma, é possível certificar a rede e identificar prováveis eventos nela. O equipamento pode – e deve – ser usado tanto na construção da rede quanto em manutenções. O OTDR é capaz de captar rompimentos, microfissuras, entre outros defeitos, presentes na fibra. Contando que a HFC tem uma arquitetura híbrida as medições precisas, realizadas com o OTDR, são necessárias para realizar manutenções rápidas e pontuais.

Power Meter – O Power Meter é utilizado para medir a potência do sinal das fibras ópticas. Por conta dos nós feitos de fibra óptica na construção da rede, é interessante testar se a potência do sinal está adequado para a capacidade daquela rede.

Multímetro – O multímetro é um aparelho que lê as conexões ópticas. Geralmente é pequeno, leve, mas se torna uma ajuda de peso para técnicos aferirem suspeitas de erros nas redes de fibra óptica.

Além dos equipamentos, softwares de monitoramento e de processamento de dados após medição podem ser muito úteis e simplificar o trabalho dos técnicos. Com sistemas de automação que analisem detalhadamente os dados em questão de segundos, a tomada de decisão pode ser facilitada.

As ferramentas são essenciais para se manter a qualidade das redes. O provedor deve realizar manutenções preventivas na rede para que seus clientes não sejam prejudicados com uma má conexão. 

Manutenções preventivas são necessárias, também, para poder prever possíveis erros. Se feitas corretamente, de maneira periódica, é possível que o resultado seja um serviço satisfatório para com seus clientes. Além disso, conferir a rede através de testes, pode otimizar o processo de manutenções, descartando ainda mais as chances de uma manutenção corretiva, que, na maioria da